quinta-feira, 31 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letras X e Z

(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Xab-
a Zur-

Xabregas – local de terra arenosa, de areia grossa (de “xabre”)?
Xarrama
Xartinho –
Xévora - hidrónimo. em "Rio Xévora"

Xinzo de Limia (Gz.) – Ver “Ginzo”. “Xinzar” significa dar-se bem com alguém. Será lugar “de um acordo” ou “lugar acordado entre partes”?

Xira, Vila Franca de” –
Xironda – ver “Gironda”

Xurés”, Serra de (Gz.) – o mesmo que “Gerês”, provavelmente mais próximo do étimo. cf. com “Jura”

Zambujal –
Zambujal de Cima –
Zambujeira –
Zambujeira de Baixo –
Zambujeira do Mar –
Zambujeiras –
Zambujeiro -
Zambujinho –
Zangarinhal –
Zava –
Zavial –
Zebra –
Zebral –
Zebras –
Zebreira – o mesmo que “Zibreira”
Zebreiros –
Zebrim –
Zebro de Cima –
Zebro do Grou –
Zedes –
Zeive –
Zemaneira –
Zendo –
Zêzere –
Zibreira – o mesmo que “Zebreira”
Zibreira da Fé –
Zibreiros –
Zido –
Zimão –
Zimbral –
Zimbral de Cima –
Zimbrana –
Zimbreira –
Zimbreirinha –
Zimbreiros –
Zimbro –
Zóio –
Zonho –
Zôrro –
Zouparria do Campo –
Zouparria do Monte –
Zubinheiro –
Zurara – em “Azurara”= “A Zurara”

quarta-feira, 30 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra V (3)

(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Vil- a Vre-


Vilar –
Vilarandelo
Vilar de Cunhas –
Vilar de Mouros –
Vilar de Nantes –
Vilar de Santos (Gz.) –
Vilar de Soente –
Vilar do Ruivo –
Vilarinho da Furna -
Vilarinho das Furnas – ver Vilarinho da Furna"
Vilar Seco de Lomba –
Vila Real –
Vila Real de Santo António –
Vilarelho da Raia –
Vilarelhos – diminut. de “Vilares”
Vilares – plur. de “Vilar”
Vila Praia d’ Âncora – ver “Âncora”
Vila Seca - pronunc. “Vila Sêca”
Vila Velha de Ródão – ver “Ródão”
Vila Viçosa – o mesmo que quinta muito fértil, abundante, rica
Vilar – parcela de uma propriedade rústica medieval
Vilar de Lomba –
Vilar de Ossos –
Vilar de Perdizes – por “Vilar de Pedrizes”?
Vilar de Peregrinos –
Vilar de Santos (Gz.) –
Vilar do Peso –
Vilar do Pinheiro –

Vilarelho – diminut. de “Vilar” (alternat. dialectal), o mesmo que “Vilarinho”

Vilarelho da Raia –
Vilariça - aqui, c om o hidrónimo: "Ribeira de Vilariça"
Vilarinho – dimin. de “Vilar”
Vilarinho do Bairro –
Vilarinho dos Galegos –
Vilarinho de Samardã – ver “Samardã”
Vilarouco –
Vilar Seco da Lomba –
Vilartão –
Vilas Boas –
Vilas Ruivas –
Vila Seca – pronunc. “Vila Sêca”
Vil de Matos -
Vildemoínhos – cf. “Vil de Matos”
Vil de Souto -
Vilela – quintinha
Vilharigues –
Vimeiro –
Vimieiro –
Vimioso –
Vinha –
Vinha da Rainha –

Vinhais – de “Veniatia”, cidade romana na estrada de Braccara (Braga) a Asturica (Astorga)

Vinhó - diminut. de “Vinha” (?). deve, pois, dizer-se “em Vinhó” e não “no Vinhó”

Vinhós – plur. de “Vinhó”
Virela – o mesmo que “Vilela”?

Viseu – do lat. “visu”? (lugar onde está um posto de vigia ou atalaia?). ver “Viseu Fundeiro”

Viseu Fundeiro –
Viso –
Vista Alegre –
Vitego –
Viterne –
Vitorino das Donas –
Viveiro (Gz.) –

Vizela – lat. “Avicella”: “pequeno Ave”. nota: “Ave” é anterior ao sufixo diminutivo latino. isto quer dizer que antes dos romanos lhe porem o sufixo se chamava Ave, tal como o rio onde desagua. na língua original eram ambos, simplesmente, "rio". o curioso é que no tempo da Rainha D. Teresa - a Portucalensis Regina - se chamavam ambos "Ave"; e a região entre os dois rios chamava-se "Entre-Ambos-Aves" (aproximadamente o actual concelho de Guimarães)

Vodra –
Voimarães –
Volência –
Volta do Rio – cf. “Rebordosa”
Vouga –
Vouzela – parece diminut de “Vouga” (desc. “rio” ?)
Vreia de Bornes – ver “Verea”
Vreia de Jales – ver “Verea”

terça-feira, 29 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra V (2)

(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)

Vea- a Vil-



Veade – o mesmo que “Beade”. de "Venade". ' ver "Venade"
Várzea de Trevões – ver “Várzea” e “Trevões”
Várzea do Homem – várzea do Ão/Om/Home/Homem (D’Ão> Dão)
Varziela – diminut. de “Várzea”
Varzielas –
Vasconha –
Vasconha Queira – terra de gente vinda do País Basco + …..?
Vascoveiro –
Vedra (s) –
Vedro (s), Vedra (s) – lat. “veter…”: “velho (a)(s)”, “antigo (a)(s)”
Veiga (Pt. e Gz.) –
Veiga da Ouvelha (Gz.) – comp. com “Várzea de Ovelha”
Veiga de Penso – ver “Veiga” e “Penso”
Veiga de Timois (Gz.) –
Veiga do Lila –
Veiguinha –
Veiros –
Vela – “vigia”, torre de
Venade –

Venda – lugar onde se fazia vendas ou mercado à beira da estrada. trata-se, pois, de um topónimo viário

Vendada – o mesmo que "Bendada"' ver "Bendada"
Venda da Esperança –
Venda da Serra –
Venda das Raparigas –
Venda de Galizes –
Venda de Maria – ver “Marianaia”
Venda do Porco –
Venda do Sebo –
Venda dos Moinhos –
Venda dos Olivais –
Venda dos Tremoços –
Venda Nova –
Vendas –
Vendas Novas –
Ventosa – terra onde bate o vento
Ventosa do Bairro –
Ventozela – se é diminut. de "Ventosa", a grafia correcta será "Ventosela"
Verba –
Verde – lat. “veter…”. “velho (a), antigo (a)”
Verdelhos –

Verdemilho – chamou-se "Vila de Milho", pelo que a forma intermédia teria que ser "Vil de Milho". significa "quinta ou propriedade de um tal "Emílio"

Verdoejo –
Verea (Gz.) – ver “Vreia”. o mesmo que “Vereda”, “Vieira”, “Carreiro”

Vergonha – pronunc. alternat. de “Borgonha”. graf. correcta: "Bergonha"

Vermil – germ./vikk.(normando?)
Vermiosa –
Vermoil –
Vermoim – germ./vikk.(normando?)
Verride –
Vessada –
Vespeiro –
Vestiaria –
Viade de Baixo – ver “Veade” e “Beade”
Vialeiro –
Vialonga – estrada comprida?
Viana – terra por onde passa uma via ou caminho
Viana do Alentejo –
Viana do Bolo (Gz.) – ver “O Bolo”
Viana do Castelo – designação recente
Viariz –
Viatodos –
Viavai –
Vicedo – ver “O Vicedo” (Gz.)
Vidais –

Vidago – cf. com “Vide”: “termas”? cf. “Vidiago”/”Vidiagu” (Astúrias) “Vidi” + “Aco”

Vide –
Videferre (Gz.) –
Vidigueira –
Vidoeira –
Vieira – "junto à via", "da estrada". o mesmo que “Viana”
Vieira de Leiria –

Vieira do Minho – topónimo incorrecto, a menos que signifique “a estrada para o Minho”. caso contrário, deveria chamar-se “Vieira do Ave”

Vigia – o mesmo que “Vela”

Vigo (Gz.) – lat. “vicus”: “ pequena aldeia”,”povoação”, “pequeno povoado”. cf. “vizinhos”: habitantes do mesmo povoado”

Vila – quinta romana

Vila Boa – do latim "villa bonna": "Boa Quinta". na Europa Romance há Villa Bona, , Villebon, Villebon-sur-Yvette

Vilaboa (Gal.) –

Vila Boa de Ousilhão –
Vila Boa de Quires -
Vila Cã –
Vila Chã – significa "quinta ou propriedade plana"
Vila Chã da Beira –
Vila Chã de Barceosa – ver “Barceosa”
Vila Chã de Sá –
Vila Cova –
Vila Cova-à-Coelheira – por Vila Cova-a-Coelheira

Vila das Aves – significa "Vila dos (rios) Aves": Ave + (Avi) cella [Vizela]. nome correcto quando os rios eram femininos, como na Galiza. Actualmente, mais correcto seria escrever “Vila d’Aves”

Vila de Ala –
Vila de Frade –
Vila de Punhe – ver "Punhete"
Vila de Rei –
Vila Cova do Alva –
Vila do Bispo –
Vila do Conde –

Vila do Touro – cf. “Toro” (Esp.), “Touregas”, “Touriz”, “Zurich” (CH), …

Vila Fernando –
Vila Flor –
Vila Fonche –

Vila Franca – lugar onde, por privilégio real, não se pagava taxas, portagens ou impostos

Vila Franca das Naves – ver “Naves”
Vila Franca da Serra –
Vila Franca de Xira – ver “Xira”
Vila Fresca de Azeitão –
Vila Maior – “quinta grande”
Vilamar –
Vila Marim – “villa marinii”
Vila Meã – “villa mediana” (quinta do meio)
Vila Morta de Santa Cruz de Vilariça –
Vila Nogueira de Azeitão –
Vilanova (Gz.) –
Vila Nova da Barquinha –
Vila Nova da Rainha -
Vila Nova de Famalicão – ver “Famalicão”
Vila Nova de Gaia – ver “Gaia”
Vila Nova de Milfontes –
Vila Nova de Oliveirinha –
Vila Nova de Ourém –
Vila Nova de Poiares –
Vila Nova de S. Pedro –
Vila Nova de Tázem –
Vila Nova do Ceira –
Vila Nune –
Vila Pouca –

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra V (1)


(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Vac- a Vau-


Vacariça – lat. “vaccaritias” – estábulos de vacas
Vade – é hidrónimo.ver também "Portela do Vade"
Vagos – tem uma grafia anterior “Vaagos”

Vagueira – pronunc. "Vàgueira". a Praia ou Costa do concelho de Vagos

Vaiamonte –
Vairão –
Valada –

Valadares (Pt. e Gz-.) – ao que se supõe, é um termo abundancial de "valado". ver Comentº.

Vala de Alcource –
Valado – ver "Costa do Valado"
Valadouro – ver “O Valadouro”
Valagão –
Valbom –
Valcanosa –
Valcerto –
Val Conqueiro –
Valdaiva –
Val do Dubra (Gz.) –
Valdonas –
Valdosende – por “Valdozende”
Valdreu –
Valdrês – ver “Valdrez”
Valdrez –
Vale - pode aparecer por "vau"
Vale Baeta –
Vale Benfeito –
Vale Bonito -
Vale Cabrito –
Vale Carro –
Vale Couço –
Vale Covo –
Vale da Amezendinha –
Vale da Areia –
Vale da Bota –
Vale da Coelha –
Vale da Eira –
Vale da Galega –
Vale da Mó –
Vale da Mua – o mesmo que “Vale da Mula”
Vale da Mula – o mesmo que “Vale de Lamula” ou “Vale de "La Mula"
Vale da Proa –
Vale da Silva –
Vale das Mós –
Valedasna –

Vale das Ovelhinhas – ver “Óvoa”, “Oveiros”, Ovelha”, “Ovelhinha”

Vale da Urca –
Vale da Ursa –
Vale da Vila –
Vale de Água – por “Vau d’Água”?
Vale de Águia –
Vale de Além –
Vale de Cambra –
Vale de Canas -
Vale de Carneiro – ver “Carneiro”
Vale de Cavalos –
Vale de Figueira –
Vale de Figueiró –

Vale d’Égua – ver “Vale d’Água” e “Vale d’Águia” (ou “Vale de Água” e “Vale de Águia”). “Égua” é uma variante dialectal de “Água”

Vale d’Èguas –
Vale de Homem –
Vale de Judeus –

Vale de La Mula - o mesmo que "Vale da Mua”, “Vale da Mula”, “Vale de Lamula”

Vale de Lamula – o mesmo que Vale de La Mula
Vale de Leside –
Vale de Mendiz –
Vale de Mulheres – cf. “Mula”, “Mua”
Vale de Pegas –
Vale de Santarém –
Vale de Veneiras (Mir.) –
Vale de Veneiro (Mir.) –
Vale Diogo -
Vale do Grou –

Vale do Homem – cf. “Homem”, “Várzea do Homem”, “D’Ão”. este “Homem” é da zona do “Ródão”/”Tejo”, pelo que há que admitir a coexistência de três comunidades linguísticas na zona, cada qual com sua palavra para designar "rio": "tejo", "ródão" e "home"/"ão"

Vale do Inferno –
Vale Domingos –
Vale Domingos de Cima –
Vale do Peso –
Vale dos Corgos – ver “Corgo”
Vale do Urso –

Vale Faro –
Vale Feitoso –
Vale Ferradas –
Vale Figueira –
Vale Formoso –
Vale Frechoso –
Válega –
Valgalhardo -
Vale Gemil –
Vale Grande –
Vale Judeu –
Vale Linhares –
Vale Maior – o mesmo que “Vale Grande”
Vale Maria Dona –
Vale Mioto –
Vale Mourão –
Vale Navio –
Valença – praça-forte
Valença do Douro –
Valença do Minho –
Vales de Baixo –
Vale Serves –
Vale Torto –
Vale Travesso –
Vale Parra –
Vale Rabelho –
Vales –
Valezim –
Valigotas –
Valinho –
Valinho da Estrada –
Valinhos –
Valhascos –
Valhelhas –

Valões – terra de gente vinda da Valónia (Bélgica francófona)?

Valongo –
Valongo dos Azeites –
Valongo do Vouga –
Valrico –
Valtorno –
Val Vazão –
Valverde – “vale” + “verde”: vale antigo (?)
Vandoma –
Vaqueiro –
Vaqueiros –
Var/Ver - em O Var (Ovar) e S. João de Ver
Varandas de Avô –
Varatojo –

Varosa - hidrónimo. "Rio Varosa": “rio-rio-rio”? tamém chamado “Barosa”

Várzea da Póvoa –
Várzea da Serra –
Várzea de Quarteira –
Várzea do Amarelo – “amarelo” será hidrónimo
Várzea do Douro –

Várzea do Homem – aqui “Homem” está por “Ome” ou “Ão” (Rio Dão ou D’Ão)

Várzea Grande –
Varziela – várzea pequena
Varzina –

Vasconcelos – o mesmo que “biscainhos” ou “bascos”. diminut. de “vasconços”

Vascoveiro –
Vassal –

Vau – local de travessia de um rio a pé. pode ser tamém uma variante de "vale"

Vau da Casa –
Vau d’Água – ver “Vale de Água”

domingo, 27 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra U


(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)



Ube-
a Uva-


Uberaba (Br.) -

Ucanha – cf. “Ocaña” (Esp.). Ucanha (Ocaña), de Aucania, de Alcanea? também se defende uma origem ibero-ligure: Oca/Occa/Occagno/”Auca”/Oca”/Ouca. no entanto, em toda a Idade Média, escreveu-se “Cucanha”. mas primeiro chamou-se “Vila da Ponte”

Ul – hidrónimpo. do grupo “Ôlo”, "Ulha"
Ulha (Gz.) - graf. altern.. Ulla. ver “Ul”, “Ôlo”
Ulme – cf. topón. alemão “Ulm”
Ulmeiro – ver "Granja do Ulmeiro"
Umia (Gz.) - hidrónimo
Unhais-o-Velho –
Unhais da Serra –
Unhos –
Urbão –
Urca –
Urejais – ver "Orjais"
Urgeira –
Urgeiriça – ver “Jariça”
Urgezes - pronunc. “Urgêzes”
Urgueiras –
Urmar –
Urqueira –
Urra – ver “Ourrieta”
Urreiro – cf. “Urra”, “Urrieta”, “Urreta”, “Orreta”, “Ourrieta”
Urrelsesto (Mir.) – do grupo “Ourrieta”<
Urreltouro (Mir.) – do grupo “Ourrieta”
Urreta (Mir.) – ver “Ourrieta” e “Reta”
Urreta Águia (Mir.) –
Urreta da Caseta (Mir.) –
Urreta da Nalha (Mir.) –
Urreta da Raia –
Urreta das Vozes (Mir.) –
Urreta da Velha –
Urreta de Dentro –
Urreta do Fresno – cf. “Urrieta” e “Urrietas” (Cast. – León, Mir.)
Urreta dos Lagares –
Urreta Faleto (Mir.) – “Faleto” é forma dialectal de “Fèto”
Urreta Ferreira (Mir.) –
Urreta Formosa –
Urreta Longa –
Urreta l Poço (Mir.) –
Urretas Assenhas –
Urreta Vinhó (Mir.) –
Urretona (Mir.) – ver “Ourrieta”
Urrita (Mir.) – ver “Ourrieta”
Urrita do Moinho –
Urrita Égua (Mir.) –
Urro (Mir.) – do grupo “Ourrieta”
Urrô – diminut. de “Urro” ou “Orro”…
Urros (Pt. e Gz.) – plural de … é tido por topónimo euskera
Urrós – diminut. femin. plur. de …
Urtigal – cf. “Ortigueira”/”Ortigosa”/”Ortigal”
Urzela –
Usseira –
Uva – desc. cf. “Óvoa”/”Ovelha”/”Ovelhinha”

quinta-feira, 24 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra T (2)


(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)



Tib-
a Tur-

Tibães –
Tibaldinho – diminut. de "Tibaldo"
Tibaldo –
Tiete (Br.) –
Tinalha (Mir.) –
Tinalhas –
Tinhela –
Tinhela de Baixo –
Tiobalde – ver “Teobalde”
Tocha – ver “A Toxa” e “Tojeiros”
Tões –
Tojal –
Tojeiro – lugar de gente da Tocha (Toja)
Tojeiras, Stº André das (de) –
Tojeiros – terra de gente da Tocha (Toja)
Tolosa –
Tomar – parece tratar-se de um hidrónimo
Tombla Carreiro (Mir.) –
Tominho (Gz.) - graf. altern. “Tomiño”. junto ao (rio) Minho” (?)
Tonda – aldeia com nome do rio Tonda”
Tondela diminut. de "Tonda": "Tonda Pequena” ou “Nova Tonda”
Toques (Gz.) –
Tordoia (Gz.) –
Torgal –
Tornada –
Torneira -
Torneiros -
Torno –

Toronha (Gz.) – graf. altern. "Toroña”. terra de gente proveniente de “Toro”?

Torrados –
Torralta -
Torralva –
Torrão –
Torre – ou “atalaia”
Torre da Medronheira –
Torre da Silva –
Torre das Vargens –
Torre de Bera –
Torre de Dona Chama –
Torredeita –
Torre de Terrenho –
Torre de Vilela –
Torres do Mondego –
Torres Novas –
Torres Vedras – torres antigas

Torres Velhas – linguisticamente, é uma designação mais recente que “Torres Vedras”

Torreira – "que pertence à Torre"
Torrejão –
Torre Vã –
Torril –
Torrinha – torre pequena, pequena atalaia
Torrinheiras –
Torroal –
Torronha (Gz.) –
Torroselo –
Torrozelas –
Torto - ver "Rio Torto"
Tortomil –
Tortosendo – por “Tortozendo”
Tosende (Gz.) –
Touça –
Touça Galinha (Mir.) –
Tougues –
Touguinha –
Touguinhó – diminut. de “Touguinha”
Toulões –
Toural (Pt. e Gz.) –
Touregas - em "Espírito Santo das Touregas"
Tourel -
Tourém –
Tourigo –
Touriz –

Touro (Gz.) – cf. “Toro”, “Touriz”, “Tourigo”, “Tourém”, “Zurich” (CH)

Touvedo –
Tovim - pronúnc. Tòvim
Trafaria –
Trafeiras – relação com “Trafaria”?
Traganheiras –
Trajouce –
Tramagal –
Trancão - ver "Rio Trancão"
Tranchos
Trancoso (Pt. e Br.) –
Trapa - ver "Santa Cruz da Trapa"
Trás-do-Monte –

Trás-os-Montes – designação de difícil compreensão: “(a)Trás” de que montes?
Travanca –
Travanca de Lagos
Travanca do Mondego –
Travancinha – diminut. de “Travanca”
Travassô – diminut. de Travasso
Travassô de Baixo –
Travessas –
Treixedo –
Tremelgo –
Tremês –
Trémoa –
Três Bacelos –
Três Marras – graf. correcta desc.
Tresminas –
Tresouras –
Tresuma –
Trevim – lat. “trifiniu”: limite de três territórios ou povos (tribos)
Trevões –
Trísio –
Trofa –
Trovela - hidrónimo. diminut. de "Trofa"?
Tuela - hidrónimo. diminut. de "Tua"
Tunes – cf. “Tunis” (Tunísia)
Turcifal –
Turquel –
Turiz –

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra T (1)


(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Tab-
a Tev-

Taba (Br.) – tupi-guarani: “aldeia”

Tabaínha (Br.) – topónimo híbrido. tupi-guarani: taba (aldeia) + port. “inha” (pequena) : aldeota

Tabapuã – (Br.) – tupi-guarani: taba + puã (elevada, alta): aldeia ou povoação elevada

Tabarca –
Taberna Seca – ver “Perna Seca”
Taboada (Gz.) –
Taboadela (Gz.) – diminut. de “Taboada”
Taboadelo (Gz. e Pt.)
Taboeira –
Tabosa – ver “Ribeira de Tabosa”. hidrónimo? cf. “Távora”
Tábua –
Tabuaça –
Tabuaço –
Tabuado –
Tadim –

Tagilde - pronunc. “Tàgilde”. genit. de antropónimo germânico: "propriedade de Atanagildo

Taipa -
Taipadas –
Taipas –
Tala –
Talasnal –
Talefe –
Talegas –
Talegre –
Talha – ver “S. João da Talha”
Taliscas –
Talhadas ver "Serra das Talhadas"
Talhas –
Talhinhas –
Talos –
Tamanhos –
Tamargueira –
Tamazim –
Tamboril –

Tambre (Gz.) – hidrónimo. celt. (?): “rio ou divindade ligada a um rio”. ver “Támega”

Támega” (Gz.) / “Tâmega” (Pt.) / “Thames” (Engl.) / “Tambre” (Gz.) – celt.: “rio ou divindade ligada a um rio”

Tameiga (Gz.) –
Tamengos –
Tamicelas (Gz.) – topónimo relacionado com o Rio Tâmega
Tancos –
Tanganheira –
Tangil –
Tapada – propriedade cercada rica em caça
Tapada da Ajuda –
Tapada das Mercês –
Tapada de Mafra –
Tapada do Penedo –
Tapadinha – diminut. de “Tapada”
Tapados –
Tapajós (Br.) – hidrónimo. ver “Rio Tapajós”
Tapéus –
Tápia –
Tarei –
Tarendo –
Tarouca –
Tarouquela – diminut. de “Tarouca”
Tarreiro –
Tavarede –
Tavares –
Taveiro –
Tavila –
Távora - hidrónimo. ver "Rio Távora"
Tavira –
Tázem – propriedade de Atanasindo
Tazém –
Tebra (Gz.) –
Teira –
Teis (Gz.) –
Teixeira –
Teixeira de Baixo -
Teixeira de Cima –
Teixeiró - diminut. de “Teixeira”
Teixo –
Teixoeiras – o mesmo que “Teixeiras”
Teixoso –
Teixugueiras – o mesmo que “Teixoeiras”?
Tejo – hidrónimo
Telhada –
Telhadela – diminut. de “Telhada”
Telhado –
Telheira –
Telheiras –
Telões –
Temporão –
Tendais –
Tenões –
Teobalde – ver “Tiobalde”
Terça-Nabal –
Tercena –
Terena –
Terlamonte –
Termas – greg. ver “Caldas”. ver “Alfama”
Termas da Piedade –
Termas de Monfortinho –
Termo de Évora –
Terra Feita –
Terra Fria –
Terras Cavadas – o mesmo que “Cavadas”?
Terras Velhas –
Terreiro das Bruxas –
Terroso” (Gz.) –
Terrugem –
Teso –
Teso do Cerdeiral –
Tevelagem – ver “Quinta da Tevelagem"

sábado, 19 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra S (3)


(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Sic-
a Sum-

Sicó - orónimo. em "Serra de Sicó"
Sil –

Sil (Gz.) /”Selho”/”Sul” – desc. “rio” (?). cf. “Sihl”, rio de Zurique

Silgueiros –
Silhada –
Silheiro”, Cabo (Gz.) – graf. altern. “Cabo Silleiro”
Silva – lat. “silva” (mata, bosque)
Silvadal –
Silva Escura –
Silvalde –
Silvares –
Silveira –
Silveirinho –
Silves – chamada “Medinat Xelb” no período muçulmano
Silvosa –
Sinde –
Sines –
Singeverga –
Sirol - hidrónimo. em "Ribeira de Sirol"
Sir- "rio, ribeiro"

Sisandro - hidrónimo. de língua mediterrânica oriental: “… + rio” ou “Rio…….

Sisos –
Sistelo –
Sítio - em "Sítio da Nazaré" –
Soajo - orónimo. em "Serra de Soajo"
Soalhal –
Soalheira –
Soalheiras –
Soaxo(Gz.) – o mesmo que Soajo
Sobradelo – diminut. de “Sobrado”
Sobrado (Pt. e Gz.) –
Sobral –
Sobral da Lagoa –
Sobral de Casegas –
Sobral de Monte Agraço – graf. correcta desc.
Sobreira – lugar que está em cima? (“sobre”)?
Sobreira Formosa -
Sobreiro de Baixo –
Sobreposta – de "sobre posta"
Sobrosa –
Soeira –
Soente – ver “Vilar de Soente” –
Sogueire –
Soitinho – o mesmo que “Soutelo”
Soito – variante dialectal, o mesmo que “Souto”

Solimões (Br.) - em "Rio Solimões". de Serimã , nome da tribo que habitava as margens do rio

Solveira –
Somagral –
Soneira” (Gz.) – relacionada com “Son” (Gz.)?
Sonim (Mir.) –

Sopo – vem de “Zopo” ou “Çopo”. antropónimo; alcunha que significa “aleijado de mãos e pés”

Sôr – do grupo “Sil”/”Selho”/”Sul”/”Sar”/”Sir”/ “Sôr” / “Ser”: “ribeira”

Sorgaçosa –

Sorocaba (Br.) – tupi-guar. soroc (fenda no solo, rasgão, buraco) e aba (conjunto): “local cheio de fendas no chão”

Sorraia – “Sôr” (rio) + “Raia” (?) : “rio” (?)

S. Cristóvão de… – povoado ligado a uma passagem a vau ou a uma travessia de rio sem ponte

Sortelha –
Sosa –
Souravas –
Soure – é um hidrónimo ver “Ribeira de Soure
Sousa – é hidrónimo. ver "Rio Sousa"

Sousel –
Sousela – dimin.: pequeno Sousa
Souselas – de "Chouselas"
Souselo –
Soutelo – diminut. de “Souto” (pronunc. “Soutêlo”)
Soutelo do Douro –
Soutelo Mourisco –
Soutelo Verde (Gz.) –
Soutilho – o mesmo que “Soutelo” (influenc. castelh.)
Soutinho – diminut. de “Souto”
Soutocico (Mir.) – diminut. de “Souto”
Souto da Velha –
Souto Fiscal –
Soutomaior (Gz.) – o mesmo que “Souto Grande”
Souto Redondo –
Soutulho –
Suído (Gz.) - orónimo. em "Serra do Suído"
Sul – ver “Sil”
Sume –
Sumes –

sexta-feira, 18 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra S (2)


(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Seb- a Sez-

Sebal Grande –
Sebolido –
Secarias –
Seda –
Sedas –
Sedielos – ver "Santa Marta de Sedielos”
Segade –
Segadães –
Seganho –
Segirei –
Segura – terra de um senhor romano chamado “Securus”
Seia – cf. “Siena” (It.)
Seiça –
Seide – o mesmo que “Ceide”
Seidões – povoação de gente vinda de “Seide”
Seirós –
Seixal (Pt. e Gz.) –
Seixas (Pt. e Gz.) –
Seixe - hidrónimo. ver "Rio Seixe" e "Rio Odeceixe"
Seixo Alvo –
Seixo Amarelo – pleonasmo: “seixo-pedra”
Seixo da Beira –
Seixo de Ansiães –
Seixo de Manhoses –
Sela – ver “Cela”
Selavisa – ver “Cela”/“Sala” / “Saa” / “Sá” e “Vis…”

Selga - hidrónimo. em "Ribeira da Selga". do grupo semântico e linguístico "Sar"/“Sil”/”Sul”

Selhariz –
Selho - pronunc. “Seilho”. hidrónimo do grupo "Sar"/"Sil"/"Sul"
Selores –
Semeira – o mesmo que “Cimeira”?
Semide –
Semideiro –
Sempre Noiva – graf. correcta desconhec.
Sendas –
Sendim –

Senhora da Abadia – a da nascente da Ribeira da Abadia. segundo a lenda, por mais que a quisessem “levar para baixo” (Abadia), ela “voltava sempre para cima” (o seu lugar pagão)

Senhora da Barca –
Senhora da Boa Morte –
Senhora da Cabeça – lugar de um culto pagão dos lugares cimeiros (“cabeça”)
Senhora da Esperança –
Senhora da Fonte –
Senhora da Glória –
Senhora da Graça –
Senhora da Guia –
Senhora da Hora – lugar de um culto pagão da maternidade (parto)
Senhora da Lapa –
Senhora da Lapinha –
Senhora da Oliveira –
Senhora da Peneda – Senhora da Penha –
Senhora da Ribeira –
Senhora da Rocha –
Senhora da Saúde –
Senhora da Veiga –
Senhora da Vitória – ver “Nª. Sª. da Vitória”
Senhora das Preces –
Senhora de… – povoado ligado a um ancestral culto feminino
Senhora de Anamão –

Senhora de Porto d’Ave” – lugar de um culto pagão da vida florescente. O rio Ave sai do seu trajecto montanhoso e escarpado e entra numa fértil planura, veiga ou várzea, onde pode ser atravessado (“porto”).

Senhora do Bom Caminho –

Senhora do Leite – lugar de um culto pagão da maternidade (amamentação). Em alguns casos trata-se da continuidade do culto de Ísis, que, por sua vez, havia dado continuidade a um culto anterior da maternidade. A nutrix.

Senhora do Nazo –
Senhora do Ó – lugar de um culto pagão da maternidade (gravidez)
Senhora do Pilar –
Senhora dos Prazeres –
Senhora das Preces –

Senhora das Vitórias – cristianização do culto da Victoria romana. ver “Senhora da Vitória”

Senhora do Sameiro –
Senhora do Socorro –
Senhora do Viso –

Senhor da Pedra – local sagrado dedicado ao culto de um numen que "habita" uma pedra

Senhor da Serra – local sagrado dedicado ao culto de um numen protector que habita uma serra. na Serra de Larouco havia o culto a “Laroco” ([Senhor] da Serra). ver também “S. Macário”

Senhor das Almas –
Senhor de... - povoado ligado a um ancestral culto masculino
Senhor de Matosinhos –
Senhor do Álamo –
Senhor do Bonfim –
Senhor dos Esquecidos –
Senhor dos Perdões –
Senouras –
Senra – terreno de semeadura, seara. O mesmo que “serna”
Sepins –
Sequeira –
Sequeiro –
Sequeirô – diminut. de “Sequeiro”
Serafão –
Serapicos –
Sergudo” – ver “Sargudo"
Serna – terreno de semeadura, seara
Sernache – “Serna” + diminut. desc.: “pequena serna ou senra”
Sernache dos Alhos – ver “Alho”, “Alhões”, “
Alhos Vedros -
Sernache do Bonjardim – style="text-align: justify;">
Sernada – terra de semeadura: “serna” + aumentat. “ada” “
Sernadela – diminut. de “Sernada”
Sernancelhe –
Seroa –

Serol - hidrónimo. do grupo "Sar"/"Sarela"/"Sil"/"Sor". ver “Sirol”

Serpins –
Serra – nome de serra sem outra designação
Serra Amarela –
Serra da Aboboreira –

Serra da Boa Viagem – designação dada por pescadores. tem a capela da Sr.ª da Boa Viagem

Serra da Cabeça Alta – pleonasmo evidente
Serra da Gardunha –
Serra da Lapa –
Serradas da Freixiosa –
Serra de Bidoeiro -
Serra d’El-Rei –
Serra de Famalicão –
Serra de Meira – cf. “Serra de Muro”

Serra de Muro – cf. “Caramulo”, Marão”, “Meira”, “Mourão”, “Moura”, “Mula”, “Moure”

Serra de Muros – ver “Serra de Muro”
Serra de Sendim da Serra –
Serra do Buçaco – ver “Buçaco”
Serra da Canda” (Gz.) – ver “Canda”
Serra da Estrela – ver “Estrela”
Serra da Gralheira –
Serra da Peneda – ver “Peneda”
Serra de Larouco” – ver “Larouco”
Serra de Malcata –
Serra do Soajo – ver “Soajo”
Serra do Porco –
Serraque –
Serrazes –
Serrazola - , Ribeira de –
Serro da Portela – o mesmo que “Cerro da Portela”. “Serro” é preferível a “Cerro”
Serrucho –
Sertã” – hidrónimo: cf. “Cértoma”
Servas –
Serzedelo” – diminut. de “Sarzedo”

Sesimbra – termin. em “briga”: “fortaleza dos…?” anteriormente grafada como “Cezimbra” e “Sezimbra”. cf. “Setúbal”: “…polis”? a hipótese mais provável é que se trate de “Cempsi+Briga”, a fortaleza da tribo dos Cempsi que habitava a região

Sesmaria -
Sesmarias –
Sete Rios –
Setiais –
Setil –
Setúbal – parecenças linguísticas com “Sesimbra”.
Sever - hidrónimo. em "Rio Sever"
Sever do Vouga –
Sevilha – desc. líng. semita: “lugar fundo e plano”
Sezelhe –
Sezimbra” – antiga grafia de “Sesimbra"

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra S (1)

(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)

Saa- a Saz-

Sá – ver “Sala”
Saa - o mesmo que Sá
Saavedra (Gz.) –
Sabarigo (Gz.) –
Sabariz – cf. “Sabarigo”
Sabóia - terra povoada por gente vinda da Sabóia
Sabor - pronunc. “Sàbôr”
Sabucedo (Gz.) –
Sabugueiro –
Sacavém –
Sacões –
Sacutos –
Sado –
Safara – o mesmo que “Sahara”, isto é, “deserto”
Safrinha –
Safurdão –
Sago – tem alguma relação etimológica com “Sayago” (Cs. -Le.)?
Sagres - em "Cabo de Sagres
Saima –
Sal – o mesmo que “Sar”?

Sala/Saa/Sá – germ. suevo-visig: “sala”: edifício amplo de uma só divisão onde se reuniam os representantes da (s) tribo (s)

Salamonde –
Salavessa –

Salazar – o mesmo que “Saavedra”: “sala”+ eusk. “zahar” (velha”)

Salceda de Caselas (Gz.) – ver “Salzeda (s) e “Caselas”
Saldanha –
Salema –
Salgueirais –
Salgueiro –
Salgueiro do Campo –
Salinha – diminut. de “Sala”
Salir –
Salir de Matos –
Salir do Porto –
Salmoura –
Salões – terra de gente vinda de (uma) “Sala”
Salreu –
Salsas (Mir.) –
Salto –
Salvador (Br.) –
Salvadores –
Salvaterra de Magos –
Salvaterra do Extremo –
Savaterra do Minho (Gz.) –
Salzedas – o mesmo que “Sarzedas” (?)
Samardã –
Samarão –
Samarra –
Sambade –
Sameice -
Sameiro – pronúnc. "Sàmeiro"
Samel –
Samo –
Samora Correia – por “Çamora” (“Zamora”) da “Correia” (estrada)?
Samouco –
Samões –
Samora – topónimo que era anteriormente “Çamora” (Zamora)
Samorinha – diminut. de “Samora”/”Zamora”

Sampaio (Gz. e Pt.) – o mesmo que “S. Paio” e “S. Pelaio”. épocas: “S. Pelaio”:”S. Paio”:”Sampaio”

Sampriz –
Samuel –
Sande” (Pt. e Gz.) –
Sandelgas –
Sandim –
Sandomil –
Sanfins – ver “S. Fins”
Sanfins do Douro –
Sangalhos –
Sanguedo –
Sanguinheda –
Sanguinhedo de Maçãs –
Sanguinheira –
Sanguinho –
Sanhoane – o mesmo que “S. João”(?)
Sanieiro –
Sanjurge – o mesmo que S. Jorge
Santa Bárbara de Nexe –
Santa Catarina dos Quartos –
Santa Comba –
Santa Comba Dão – por “Santa Comba d’Ão”
Santa Comba de Mouramorta –
Santa Cristina do Couto –
Santa Cruz –
Santa Cruz das Flores –
Santa Cruz do Bispo -
Santa Iria –
Santa Iria de Azóia” – ver “Santa Iria”
Santa Iria da Ribeira de Santarém –
Santalha –
Santa Maria da Feira –
Santa Maria de Émeres –
Santa Maria de Lamas –
Santa Maria de Sardoura –
Santa Marinha do Zêzere – atenção: fica no Douro Litoral! ver “Zêzere”
Santa Marta –
Santa Marta da Falperra – ver "Falperra"
Santa Marta das Cortiça –
Santa Marta de Penaguião –
Santana da Serra –
Santa Ovaia - ver "Santa Eulália", "Santa Olaia", "Santa Valha"
Santar – “Sumtar”: "Asentar": "Santar"
Santarém –

Santarém (Br.) – transposição do nome da cidade portuguesa com o mesmo nome

Santa Valha – o mesmo que “Santa Ovaia”

Santiago de… – lugar ou povoado no caminho de Santiago ou pertença da Ordem Militar de Santiago

Santiago da Cruz - ver "Cruz"
Santiago da Guarda –
Santiago de Candoso –
Santiago de Compostela (Gz.) –
Santiago de Litém –
Santiago de Piães –
Santiago do Cacém –
Santiais –

Santo Amaro – por “Santo Maro”. representa a sobrevivência de um culto celta

Santo Amaro da Boiça –
Santo André –
Santo André das (de) Tojeiras –
Santo António do Alva –
Santos (Pt. e Br.) –
Santos Evos –
Santo Tirso –
Santo Varão –
Santulhão –
Sanxenxo (Gz.) – o mesmo que “S. Gens”
São Bartolomeu –
São Bartolomeu da Serra –
São Bartolomeu de Messines
São Bento da Porta Aberta –
São Brás -
São Brás de Alportel – ver “Alportel” e “Portel”
São Brissos – lugar de culto megalítico. ver “S. Martinho”
São Caetano –
São Cibrao (Gz.) o mesmo que São Cipriano
São Cipriano –
São Cosmado –
São Cucufate –
São Domingos –
São Domingos de Benfica –
São Domingos do Fontelo –
São Facundo –
São Fagundo – o mesmo que “S. Facundo”
São Fins –
São Francisco –
São Francisco da Serra –
São Gemil –
São Gens –
São Gens de Cidai –
São Gião –
São Joanico (Mir.) – o mesmo que “S. Joaninho”
São Joaninho –
São João – povoado ligado a fontes ou rios (água)
São João da Azenha –

São João da Madeira – em 1088 é mencionada como “Uilla Sancto Ioanne de Mateira”, o que remete para o significado de “Matagal” e não de “madeira”

São João da Pesqueira –
São João da Talha –
São João das Lampas –
São João da Venda –
São João de Loure – cf. “Louvre” (Fr.)
São João de Lourosa –
São Jorge de Selho –
São José de Godim –

São Jumil – por “Sanjumil”: antropónimo germânico (Songemiris> Gimil). será o mesmo que “S. Gemil”?

São Lourenço de Momporcão –
São Lourenço de Selho –

São Macário - em "Serra de São Macário" – serrania sagrada, com culto pouco cristianizado

São Mamede – muito possível canonização popular do profeta Muhammad (Maomé)

São Mamede de Infesta –
São Mamede de Negrelos –
São Mansos – do nome lat. Mantius
São Marcos da Serra –
São Martinho de… – povoado ligado à cultura megalítica (?)
São Martinho de Angueira –
São Martinho de Candoso –
São Martinho de Mouro – ver “Marão”, “Moure”, Moura”, “Mourão”, “Mora”
São Martinho de Sardoura –
São Martinho do Bispo –
São Martinho do Campo –
São Martinho do Pinheiro –
São Miguel –

São Miguel de… – povoado ligado ancestralmente ao culto de um numen alado, sacralizando uma emanação telúrica (água, termas, fonte, ...)

São Miguel de Acha –
São Miguel do Couto –
São Miguel de Fontelas –
São Paio –
São Paio da Serra –

São Paio de Farinha Pôdre – grafia correcta desconhecida. o topónimo, já incompreensível e cacofónico, foi substituído por “S. Paio do Mondego”. ver “Boa Farinha”

S. Paio de Gramaços –
S. Paio do Mondego –
Sâo Pedro de… – povoado ligado a pedra sagrada (?)
S. Pedro da Cadeira –
S. Pedro da Torre –
S. Pedro de Alva – ver “S. Paio de Farinha Pôdre”
S. Pedro de France –
S. Pedro de Lourosa –
São Pedro de Penaferrim –
São Pedro de Rates -

São Pedro Dias - em "Serra de São Pedro Dias. grafia correcta desconhecida: “d’Ias”?

S. Pedro do Sul –

São Pedro Velho – graf. correcta desc. provável hidrónimo: “Ribeira de S. Pedro Velho”, por “Pedrovelho”?

São Pelaio – forma mais antiga de “S. Paio” e “Sampaio”
São Romão – povoado de origem romana”(?)
São Salvador –
São Salvador do Campo – Santiago de… – lugar ou povoado no caminho de Santiago ou pertença da Ordem Militar de Santiago

São Tomé –
São Tomé de Negrelos –
São Torcato – por “S. Torquato”
São Torquato –
São Vicente –
São Vicente da Beira” –
São Vicente de Paúl –
São Xisto –

São Paulo (Pt. e Br.) – é um enigma a raridade da invocação de São Paulo na Toponímia Galego-Portuguesa, se considerarmos a importância decisiva do "Apóstolo dos Gentios" na formação da teologia cristã.

São Paulo de Frades -
Sapafonso – ver “Cabeço Sapafonso”
Sapardos – antes chamada “Zapardos” (isto é, "Çapardos")
Sapataria –
Sapeira –
Sapeiros –
Sapiãos –

Sapucaí (Br.) – tupi-guarani “y” (rio) + “sapucaia” (nome de uma fruta): "rio das sapucaias"

Sar (Gz.) / Sardoura/ Sarela (Gz.) / Serol / Sor/ Soure - hidrónimo.“sar"/"ser"/"sor"”: rio

Saracalha –
Saramago – Saramagos - ver "Pousada de Saramagos"
Sardanisca –
Sardão - em "Cabo Sardão". de “sardo”?
Sardinheira (Gz.) – “terra de sardos”(?). Sardos: povo que deu tb o nome a Sardenha
Sardoal –

Sardoura – desc. (germ “sar”+ desc. “doura”?) “Sar + Doura” (?)”: rio Douro? (rio-rio)

Sargento-Mor –
Sargudo – ver “Sergudo”
Sarilhos Grandes –
Sarilhos Pequenos -
Sarnadas de Ródão – ver “Senra”, "Sernache", “Sernelha”
Sarnadela – diminut. de "Sarnada"
Sarraquinhos –
Sarrazola –
Sarreaus (Gz.) –
Sarriçal –
Sarzeda –
Sarzedas –
Sarzedela – diminut. de “Sarzeda”
Sarzedo –
Sátão – hidrónimo? cf. "Ribeira de Sótão"

Savinhão (Gz.) - graf. altern.: “Savinhao”, Saviñao”,”Savinhão” – propriedade de um romano da era imperial chamado “Sabinius

Sazes -
Sazes da Beira -
Sazes de Lorvão –

terça-feira, 15 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra R (2)

(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Rin-
a Ruv-


Rincadeiro –
Rio Aguapey (Br.) – ver “Aguapey”
Rio Alcoa – acrescento do art. árab. “al” a “Côa”. ver “Côa”
Rio Alcofra –
Rio Angueira –
Rio Avelames –
Rio Cabrão –
Rio Caralho – “Car”: “pedras”- cf. “Ribeira de Carenque”
Rio Cértoma –
Rio Corgo - pronúnc. "córgo"
Rio Corvo – por “Rio Corgo”?
Rio Covo - pronunc. “Rio Côvo”
Riodades –
Rio da Tornada – por “Rio Tornada”?
Rio de Areia –

Rio de Estorãos – rio que nasce ou passa em Estorãos”. ver “Estorãos”

Rio Douro – nesdte caso, nome de local, não de rio
Rio Douro -
Rio Guadiana – “rio”+ “Guadi” (rio) + “Ana (s)” (rio)
Rio de Loba –
Rio de Moinhos –
Rio de Mouros – ver “Mouro”, “Moura”
Rio de Onor – cf. “Fuentes de Oñoro” (Cs-Le.)
Rio Dueça –
Rio Gilão –
Rio Gonde –
Rio Guisando –
Rio Labriosca –
Rio Labruja –
Rio Labrujó – diminut. de Labruja
Rio Lila –
Rio Lilela – diminut de “Lila”
Rio Lourido –
Rio Louro (Pt. e Gz.) –
Rio Mau –
Rio Meão –

Rio Minho – o rio galego~portugês e um rio galego. ver também “Ribeira do Minho”

Rio Minhor (Gz.) – graf. altern.: “Rio Miñor”
Rio Murtigas –
Rio Noeme –
Rio Ocreza -
Rio Odeceixe –
Rio Odelouca –
Rio Ôlo – ver “Ôlo”
Rio Ota –
Rio Pônsul –
Rio Pranto –
Riós (Gz.) –
Rio Seco – cf. “Rio Séqua”
Rio Séqua –

Rio Tapajós (Br.) – rio do território da tribo Tapajós. do tupi-guar.”Tabayó”: “aldeão”

Rio Távora –
Rio Tinto –
Rio Torto –
Rio Trofa -
Rio Trovela – diminut. de Trofa
Rio Varosa – ou “Rio Barosa”
Rio Vez –
Rio Vide –
Rio Xarrama –
Roalde –
Roca - em "Cabo da Roca"
Roçadas –
Roçaio –
Rocamondo –
Rocha Baixinha – ver “Praia da Rocha Baixinha”
Rocha Branca –
Rocha Nova –
Rochas de Baixo –
Rochas de Cima –
Rocha Velha –
Rochel –
Rochoso –
Roda – cf. topónimo holandês “Roda”

Ródão – desc.: “rio”. cf. Rhône / Ródano; Rhin, Rhein/ Reno (ambos nascem nos Alpes Suíços)

Rodeira –
Rodeio –
Rodeiro (Gz.) –
Rodelão –
Rogel –
Rogideira –
Roios –
Rojão –
Rojão Grande –
Roja-Pé –
Rojola –
Roliça –
Roligo –
Romarigães –
Romariz –
Romeira –
Roncal –
Ronfe – de um antropónimo germ.
Ronqueira –
Roqueiro –

Roriz - pronunc. “Ròriz”. genit. de um antropónimo germânico: propriedade de Rodorico (cf. “Rodrigues”)

Rosal (Gz.) –
Rosmaninhal –
Rossas - pronúnc. “Rôssas”
Rossio ao Sul do Tejo –
Roxico – evolução de “rivus siccum”: rio seco
Roxo - pronunc. “Rôxo”
Rua (Gz. e Pt.) – ver “A Rua”
Rubiães –
Rueiro (Gz.) –
Ruivães” – o mesmo que “Rubiães”?
Ruivos –
Runa –
Ruvina –

segunda-feira, 14 de maio de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra R (1)

(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Rab-
a Rib-


Rabaçal –
Rabaçal - hidrónimo. em "Rio Rabaçal". cf. “Rabagão”
Rabaças –
Rabacinas –

Rabagão - “Rabb-ag-Om” (?) – o "Om" /"Home"/ "Homem" do outro lado?

Rabal –
Raimonda –
Raiva – é um lugar junto a um rio.
Raivo – é um lugar junto a um rio.
Ral –
Ramalde –
Ramalhal –
Ramalhosa –
Rana –
Randam –
Ranha –
Ranhadouros –
Ranhados –
Ranhão –
Ranholas – diminut. plural de “Ranha”
Rans –
Rapazes –
Rapoila –
Raposa –
Raposeira –
Raposeiras –
Raposos –
Rapoula – o mesmo que “Rapoila”
Rapoula do Côa -
Rãs – o mesmo que “Rans”
Rasas –
Rasos –
Rates – cf. “Ratis+Bona”
Real –
Rebelos –
Rebentão –
Rebocho –
Rebola –
Reboleira -
Reboleiro –
Rebolhaca –
Rebordelo - pronunc. “Rebordêlo”
Rebordochão – o mesmo que “Rebordo Chão”?

Rebordões – terra de gente provinda de “Reboreda” ou de “Reboredo”

Rebordondo –
Rebordosa (Pt. e Gz.) –
Reboreda - pronunc. “Reborêda”
Reboredo –
Reboriça –
Rebouça –

Recardães – lat. mediev. sobre antropónimo germ.: “villa de Recaredo” (?)

Rechano –
Recicheira –
Recochina –
Recoita –
Recoste –
Recoutas – ver “Recoita”

Redinha – diminut. de “Roda” : campo redondo, artefacto redondo (roda de moinho?)

Redonda –
Redondela (Gz.) – diminut. de “Redonda”<
Redondelo - pronunc. “Redondêlo”. diminut. de “Redondo”
Redondo –
Refega –
Refóios –
Refojos de Riba d’Ave –
Refojos - o mesmo que ”Refóios”
Refúgio –
Regadas (Pt. e Gz.) –
Rego - pronunc. “Rêgo”
Rego da Murta –
Reguenga – propriedade régia, terra d’el rei
Reguengo (Pt. e Gz.) –
Reguengo do Alviela -
Reguengos – o mesmo que “terras d’el rei”
Reguengos de Monsaraz –
Reigada –
Reigoso –
Relíquias –
Relvas –
Relvios –
Remoães –
Remolha –
Remouco –
Renal (Mir.) –
Rendo –
Rendufe – antropónimo germânico
Rendufinho – diminut. de “Rendufe”
Renoleiros (Mir.) –
Rencovo –
Repeses - pronunc. “Repêses”. graf. altern.: “Repezes”
Repolão –
Requeixada (Gz.) – ver “A Requeixada”
Requeixo –
Resinais –

Reta l Toro (Mir.) – do grupo "Urreta", “Ourrieta”, Urrieta (Urreta El Toro)

Retaxo –
Retorta –
Retorto –
Reriz – de um antropónimo germânico

Resende - pronunc. “Rèsende”. graf. altern. “Rezende”. de um antropónimo germânico

Resoneiro – ver “Casal do Resoneiro”
Reveles –
Revincadeira –
Riachos – o mesmo que “Arroios”
Riando –
Riango –
Rianxo (Gz.) –
Riba – zona de garganta (s) de um rio

Riba d’Ave – (lugar ou vila na) zona estreita e pedregosa (garganta) do rio Ave. note-se que a pronúncia local é “Ribadave” e não “Riba de Ave”

Ribadavia (Gz.) -
Riba de Âncora –
Ribadeo (Gz.) – o mesmo que Riba d’Eo”. ver “Eo”
Ribadeume (Gz.) – o mesmo que “Riba d’Eume”
Ribadouro –
Ribadumia (Gz.) – o mesmo que “Riba d’Umia”
Ribas de Sil (Gz.) –
Ribafeita – margem muito íngreme de um rio
Ribafornos –
Ribamar –
Riba Mondego –
Ribas –

Ribatejo – designação incorrecta, dado tratar-se, na realidade, do Baixo Tejo

Ribeira (Gz.) –
Ribeira –
Ribeira Brava –
Ribeira da Amieira –
Ribeira da Boina –
Ribeira da Carrapateira –
Ribeira da Lampreia –
Ribeira da Mata da Torre –
Ribeira da Nave –
Ribeira da Sertã – ver “Sertã”
Ribeira das Fontaínhas –
Ribeira da Samarra –
Ribeira de Agualva –
Ribeira de Alberginho – ver “Alberge”
Ribeira de Alcarrache –
Ribeira de Alfaiates –
Ribeira de Alfeizerão –
Ribeira de Almádena –
Ribeira de Almargem –
Ribeira de Alvaz –
Ribeira de Alvor –
Ribeira de Ançã –
Ribeira de Arade – ver “Arade”. do grupo “Ar-“
Ribeira de Arão – pleonasmo. do grupo “Ar-“
Ribeira de Arapouco –
Ribeira de Asnes – ver “Asnes”. do grupo “Anc-“/”Anç-“

Ribeira de Asnos – o memo que “Ribeira de Asnes”? do grupo “Anç-“/”Anç-“

Ribeira de Benémola –
Ribeira de Bensafrim –
Ribeira de Bordeira –
Ribeira de Cabanos –
Ribeira de Carenque –
Ribeira de Cicouro –
Ribeira de Côja –
Ribeira de Eiras –
Ribeira de Lavre –
Ribeira de Lobão –
Ribeira de Lorvão –
Ribeira de Marateca –
Ribeira de Muge –
Ribeira de Murtigão –
Ribeira de Odiáxere –
Ribeira de Outeiro Jusão – ver “Outeiro Jusão”
Ribeira de Sótão –
Ribeira de Soure –
Ribeira de Tabosa –
Ribeira de Trejoito –
Ribeira de Vale do Cão –
Ribeiradio – por “Ribeira d’Io”?
Ribeira do Boto –
Ribeira do Farelo –
Ribeira do Gramacho –
Ribeira do Minho –
Ribeira do Zebro – ver “Zebreiros”
Ribeira Grande –
Ribeirão -
Ribeirão Preto (Br.) -
Ribeira Quente -
Ribeirinha –
Ribeiro das Batocas –
Ribeiro de Banafátima –
Ribeiro de Peroferreiro –
Ribeiro Cardia –
Ribeiro Medreiro –
Ribispereira –

domingo, 6 de maio de 2007

Arrábida, Atalaia, Azóia, Cuba e a Cavalaria Espiritual Islâmica (*)

Arrábida - do árabe al-râbita. as “arrábidas” eram uma espécie de conventos fortificados que se destinavam à vigilância e defesa das fronteiras islâmicas de terra ou de mar. situavam-se em lugares estratégicos favorecidos pela geografia, quase sempre distanciados das cidades, tais como altos de serras ou elevações de terreno, arribas costeiras, meandros de rios. eram ocupados por confrarias sufis que seguiam a via das Cavalarias Espirituais, em muitos aspectos afins da Cavalaria Templária. sempre que as circunstâncias o impunham, os seus membros colocavam de lado o estudo do Livro sagrado e partiam em defesa da Umma ou Comunidade dos Crentes. as “arrábidas” eram, pois, lugares de actividade espiritual e complementavam, simultaneamente, a função das torres de vigia ou al-talai’â (atalaias). ver “Atalaia”.


exemplos:
Arrábida
Arrábidas
Arrábido
Arrábidos
Convento da Arrábida
Monte da Arrábida
Ponte da Arrábida
Portinho da Arrábida
Quinta da Arrábida
Rua da Arrábida
Serra da Arrábida
Travessa da Arrábida

da mesma etimologia:
Rábito
Rábitos
Rápida
Rápido
Rebata



Atalaia - do árabe al-talai’â, eram torres militares de vigilância.

exemplos:
Atalaia - várias povoações com este nome
Ponta da Atalaia
Póvoa da Atalaia

Azóia - do árabe zâwiya (“recanto“). era o edifício-sede de uma Irmandade Espiritual sufi e residência do respectivo Mestre, com sua família e servos. era um lugar de iniciação e de instrução filosófica e espiritual. dispunha de celas para os neófitos, jardins e, não raramente, de uma pequena mesquita. nas sessões regulares praticava-se um ritual que compreendia numerosas práticas de elevação espiritual, a rememoração dos nomes de Deus (Allah), a entoação de litanias ou ladaínhas e a leitura de trechos dos grandes mestres, seguindo-se um silencioso ágape. lugares de meditação, leitura e escrita, as “azóias” eram, interiormente, lugares de silêncio, recolhimento e calma. porém, ao seu redor movimentava-se uma romaria de neófitos, viandantes e peregrinos, que traziam oferendas e procuravam beneficiar do influxo espiritual do Mestre, a quem se reconhecia o poder de curar as doenças do corpo e da alma. Habitualmente, no fim da vida, o Mestre entendia por cumprida a sua tarefa e retirava-se como eremita, passando a ocupar um morábito encimado pela respectiva qubba, ou “cúpula“, construído pelos seus discípulos (ver “Cuba”). a importância religiosa, social e cultural destes lugares ultrapassou o período de domínio político muçulmano, pervivendo em dezenas de topónimos e, não raramente, passando a constituir lugares de invocação cristã.

exemplos:
Azóia - várias povoações com este nome
Azóia de Baixo
Azóia de Cima
Azóio
Azóis
Azueira
Cabeços de Azóia
Carvalhal da Azóia
Casais da Azóia
Moinho da Azóia
Pedra da Azóia
Santa Iria da Azóia
Serra da Azóia


Cuba - do árabe “qubba”, a cúpula do morábito ou eremitério (ermida) onde os Mestres espirituais, terminada a sua missão, se recolhiam para uma vida de meditação e ascese, e no interior do qual eram sepultados após a morte. tornavam-se, então, lugares de peregrinação para os fiéis, que esperavam receber do mestre defunto a graça santificante. após a conquista cristã muitos destes morábitos continuaram a ser frequentados pelos crentes muçulmanos e cristãos, o que levou à sua transformação em capelas, ou ermidas. são muito vulgares no Alentejo e no Algarve.
em alguns casos, o topónimo “Cuba” é de origem latina e significa “reservatório de água”.

exemplos:
Alcoba
Alcobe
Alcube - também como hidrónimo, em “Ribeira de Alcube”
Alcubela de Baixo
Alcubela de Cima
Cuba - várias povoações têm este nome, ressaltando a conhecida Vila do Alto Alentejo
Cubada
Cubadas
Cubal
Cubalhão
Cubancas
Cubanco - também grafado “Cobanco”
Cubas
Cubato
Macieira de Alcoba

(*) para a elaboração desta postagem segui de muito perto a obra de Adalberto Alves , Portugal e o Islão Iniciático, Ésquilo, Lisboa, 2007, sobretudo as pp. 19-26 e 91- 111.